16 de janeiro de 2010

Anjo Negro


Acordei… chuva!

Mais uma vez.

Não só a chuva mas também a solidão.

Liguei o rádio, o locutor diz que vai entrar uma nova faixa e… acertou!

Estou na escuridão, a bom da verdade na sombra da escuridão.

Tornei-me vítima desta escuridão e tu foste o “Anjo Negro” do meu pesadelo.

Agora, apenas desejo que isso acabe. Estou onde tu me encontras-te…

Sinto a tua falta…

Onde estás?

Eu não consigo dormir, não consigo sonhar.

Preciso de alguém, sinto-me doente nesta estranha negritude.

Sinto um nó cá dentro.

Sou como um insecto apanhado numa teia de aranha, a quem esta come só as entranhas.

Ligo para ti…

E ouço a voz de traição.

Desejo que voltes para casa…

Pelo menos a dor parava!

Dói a tua distância…

Ouço a voz dentro da minha cabeça:

“Segue em frente!”

Tomei uma decisão!

Não vou perder tempo contigo.

Mas…

Eu sinto sua falta!

3 comentários:

Maçã e Canela disse...

Já era tempo de voltares.
Está muito bonito.

Anónimo disse...

dicotomia...presa

CarMG disse...

precisamos sempre de alguém...
na maior parte das vezes, o problema tem aí o seu epicentro: no hábito que temos de precisar dos outros, mesmo quando achamos que sozinhos podemos conquistar o mundo...
... na maior parte das vezes, não queremos, porque sentimos a falta...