28 de janeiro de 2008

Esquecimentos



Porque é que nos esquecemos tantas vezes das coisas boas da vida?
Teimamos em viver uma rotina montada em torno de falsas aparências.
Recusamos olhar bem dentro de nós e com isso tornamo-nos naquilo que vemos os outros ser.
Custa-nos ser diferentes,
Custa-nos ser apenas nós.
Custa-nos vivermo-nos.
Na nossa versão simples e fiel.
Sem querer, estamos agarrados ao relógio, às datas, às posses, às aparências, às marcas, aos carros, aos ténis, às calças e aos perfumes.
Esquecemos a carcaça fresca com manteiga e o leite com Nesquik.
Esquecemos os passeios de bicicleta, as T-xirts com buracos, os calções gastos, as meias de elástico largo, os chinelos, a descontracção, os transportes públicos, o cabelo despenteado, os outros, os abraços, as saudades, as noites quentes, as manhãs frias e as tardes acompanhados, as mão dadas e as cavalitas, os silêncios simples, o agarrar e o soltar, o sorriso espontâneo, chapinhar nas poças, deitar no chão, sujar as mãos, sentar numa esplanada, sentir o sol, ir contra o vento e cheirar o mar.
Esquecemo-nos... de lembrar.

2 comentários:

Pipabagagrifas disse...

Identifico-me em parte com o que escreves. Contudo, não são poucas as vezes em que largo ou acabo as responsabilidades e vou ver o mar, sentir o mar, sentir a revolta e a calma que ele nos trsnmite, juntamente com o vento, com o sol ou com a chuvinha miudinha. E quantas vezes mais, em que liguei para amigos e disse que queria passear, fazer rappel, andar de barco, ou até mesmo de bicicleta, rasgar calças sujar blusas, cair em ribeiras. E mais vezes em que saio com a minha irmazinha ou com amigos/as, mal vestida, mãos dadas... Pelo vistos nao nos esquecemos de lembrar!!!

Eu vivo a lembrar isso tudo, principalmente quando passo por fases de "ausência desses momentos".

Por vezes são poucos, mas nós é que temos que dar o devido valor!!!

just me disse...

ter saudades do futuro encegueira-nos a reminiscência desses tempos em que a felicidade era tão mais fácil de alcançar. não era preciso lutar, bastava viver! à medida que vamos crescendo vamos sonhando mais, conquistando menos, por culpa da inércia que de nós se apodera. achei o texto fenomenal! bj