22 de dezembro de 2009

Mais uma noite no hospital



Acaba por ser em noites como esta que vemos no café o nosso maior aliado.
Aos bochechos consigo ir até lá fora respirar um pouco de ar fresco.
Está a chover.
Num pré-fabricado, estão uma dúzia de familiares de doentes que se encontram em tratamento, sedentos por um pouco de informação. Falam entre sim, das suas histórias, do que os trouxe hoje ali e quando o assunto falha, falam apenas do tempo.
Está frio.
Vou até à máquina do café. Deposito nela toda a confiança que tenho no bolso, dez, trinta, trinta e cinco cêntimos.
Aquele barulho tipo turbina. Pouco depois o apito e finalmente está pronto.
O café das 5h30 minutos.
Mexo distraidamente a palhinha. Talvez até mais do que o necessário.
Está quente. Diria que vem em jeito de corte com as ideias lentificadas que já se vinham apoderando de mim.
Bebo a última gota como se de um líquido precioso se tratasse.
Volto costas ao desespero dos familiares e volto até aos meus doentes.
Está quase.
Mais uma noite no hospital.


2 comentários:

Eduarda disse...

Deve recompensar algumas noites!
Beijo

SM disse...

Tb sou enfermeira e curiosamente faço imensas noites... Não aprecio café mas às vezes, em noites como a de hoje que tou a fazer 24 horas, lá tem que ser; com uma enorme careta à mistura mas tem que ser...