31 de janeiro de 2009

Pequenos prazeres em Lisboa




Chegar atrasado à estação do Cais do Sodré, olhar mais uma vez para o relógio, descer as escadas rolantes a correr, tirar o passe da carteira em andamento, passar pelas portas de controlo, correr mais um pouco até ao último lance de escadas, ouvir toda a gente a correr atrás de ti... os ténis, as chinelas, as botas e os saltos altos.
Saltar para o último patamar, ouvir aqueles três apitos, e entrar no metro mesmo no instante em que as portas se estão a fechar!
Encostar a qualquer coisa, e depois olhar em redor para toda a gente à nossa volta, olhar as caras, as expressões, as roupas, os sacos e os apontamentos.
Depois desfocar o olhar para os pés de alguém, até que nos apercebemos que aí somos nós o alvo das atenções.

2 comentários:

Lúcia disse...

Olá:) a fazer manha e tarde deu para me inteirar do vosso blog, que está muito interessante:) continuem

sóniap disse...

Metro, comboio,... é tudo igual. É bom saber que não sou a única sobrevivente dos transportes públicos e que também não sou a única a correr para não perder mais um transporte ;)
Encontramo-nos numa estação perto de si...