22 de janeiro de 2009

O meu pai e o YouTube



Como explicar ao meu pai o que é o YouTube?

Eu - Olhe, vi uns vídeos no YouTube, lá da terra quando aquilo estava cheio de neve...
Ele - Quê?
Eu - Sim, uns vídeos, na internet com a vila toda coberta de neve.
Ele - Oh, isso da "inTRanet" é só maluqueiras e droga, estou farto de vos dizer, mas vocês passam horas ali agarradinhos à porcaria da "televisão" e a carregar nas teclas...
Eu - Mas qual droga? Alguém falou em droga?
Ele - Sim, e os raptos é porquê? Vem nos jornais todos os dias a avisar... vocês estão a falar sem saber quem está do outro lado a responder! É a pior porcaria que inventaram!
Eu - Raptos? Que eu saiba já haviam raptos antes de existir internet! O que eu estava a dizer é que fizeram um filme lá da terrinha quando aquilo estava tudo coberto de neve, e eu fui a um site e vi lá.
Ele - Mas para que é que eles agora querem isso?
Eu - (Mas eles quem? Alguém falou em "eles"? - penso eu)
- Aquilo é um filme lá da vila que puseram na internet, e eu fui lá hoje e encontrei o filme, não quer ver?
Ele - Hã?! Dá para ver? E como se chama isso? Se calhar é tudo foto-montagem...!
Eu - (Foto-montagem? Por amor à Santa! - inspira, expira! Calma Zapporsson)
- Não, qual foto-montagem?! Aquilo é mesmo um filme verdadeiro, mostra lá o jardim, o parque infantil e o carro de bois feito de pedra que está em frente à Igreja e vê-se a neve a cair!
Ele - Onde está isso?
Eu - Está no YouTube.
Ele - No ITube? ( épá, assim não vale, desisto - penso eu)
Eu - Sim, é uma espécie de "Isto Só Vídeo". As pessoas mandam para lá os vídeos e a internet guarda-os. Depois escrevemos aqui o nome dos vídeos e isto procura automaticamente como na lista telefónica.
Ele - Hum...
Eu - Play!


(Mais uma brilhante explicação Zapporsson! Palmas para mim... Obrigado, Obrigado, Obrigado.
E pronto, acho que esta equivale à paciência que o meu pai teve naquela manhã cada vez mais longínqua, para me ensinar a andar de bicicleta com apenas uma rodinha! Lembro-me dessa vitória como se fosse hoje !)

5 comentários:

sara lóló disse...

LOLOL
Palmas para ti lol

Ana. disse...

Ó pá, que querido, o teu pai!

Espero que pelo menos tenha gostado de ver a santa terrinha vestida de branco!

Anónimo disse...

O facto de os nossos pais pertencerem a uma geração diferente da nossa, diria mesmo, a anos-luz da nossa, faz-nos aceitar com alguma facilidade que hajam certas coisas que eles não entendam tão bem como nós, uma deles a Internet e tudo aquilo que esta engloba.

Para mim é perfeitamente aceitável e o nosso papel é de... integradores. É justo, troca por troca, eles ensinaram-nos a andar de bicicleta, a nadar, essas coisas, e nós ensinamo-los a conhecer este "novo mundo globalizado" que já eclodiu há alguns anos.

Agora, na minha cabeça o que me custa a aceitar neste processo de integração, é eu estar na minha casa e ligar o Messenger, E ENCONTRAR O MEU PAI ONLINE!!!!!!

Será que fui assim tão boa professora? Onde é que eu tinha a cabeça?....

:P

CarMG

ß→αιχιηнα disse...

ahaha é preciso mesmo ter paciência :)

Sofia disse...

O meu pai ainda é pior. Acredita!
É uma diversão falar destas novas tecnologias lá em casa. Ne telemóvel tem e o telefone fixo ainda é um bicho estranho.