29 de novembro de 2007

Às vezes também somos maus filhos


Hoje depois do jantar, sento-me na secretária do meu quarto com um livro de 500 páginas pela frente.
Após a primeira refeição em família desde há 9 dias, a minha mãe vem ter comigo ao quarto e senta-se num banco ao meu lado.
Começa a falar do trabalho dela, e de trechos lidos em livros ao longo desta semana, aproveitando sempre para em cada um deles dar mais um conselho.
Eu apenas com a cabeça no curso que vou ter este fim-de-semana, começo a desfocar o olhar e inconscientemente a pensar quando é que a mãe se vai embora para eu começar a ler.
Ela diz: "Filho, se calhar estou a incomodar-te?!"
Eu digo: "Sim, ainda tenho 400 páginas do livro para ler até amanhã."
A minha mãe levanta-se e vai-se embora. Por momentos fico aliviado, vou poder começar a estudar!
Pouco depois apercebo-me que não devia ter desfocado o olhar, nem feito aquela cara de aborrecido.
Se calhar o mínimo que um filho pode fazer depois de uma semana e meia sem dar a cara à mãe é ouvi-la 10 minutos.
À vezes também somos maus filhos...

3 comentários:

Crispi disse...

Coitada da dona Alzira... realmente uma mãe tão boa não merecia esse tipotratamento.. Ela d evia era por-te fora de casa que assim aprendias logo: tinhas que cozinhar, passar a roupa a ferro, limpar casa, etc etc

tanyaalexandra disse...

Curioso a minha mae tambem se chama Alzira, e à pouco tempo tambem tive uma reaçao parecida para com a minha maezita. queria acabar um ultimo relatorio e faltava-me uns quantos livros para ler e umas 100 paginas para rever, ela queria atençao e quando lhe respondi que tinha que acabar aquilo sinti que fui injusta :$

belucha disse...

As vezes somos maus filhos... as mães perdoam sempre. Acredito que um dia estes episódios vão doer bem mais do que no dia em que aconteceram... mas o facto é que acontecem algumas vezes. Pensamos para nós que não vão voltar a acontecer mas.... mas elas perdoam sempre! Um dia seremos nós a estar nesse lado! Espero que também consigamos perceber os nossos filhos. Quem me dera ser tão boa mãe como é a minha!