17 de novembro de 2007

O comprimento de um cumprimento

Acho cada vez mais estranho a evolução que o cumprimento em Portugal está a ter.
Dantes era “Olá estás bom” e “adeus até amanhã”.
Ainda me lembro quando comecei a dizer “xau” e pensava para comigo, isto é um bocado estranho, dá a ideia de ser muito à frente, talvez um pouco à frente de mais para mim.
Depois apareceu o “tudo bem?”, onde ambas pessoas fazem a pergunta, mas nenhuma chega na realidade a responde-la. E se uma das pessoas disse-se “não”? O que faria a outra?
Mas o que mais me intriga é este súbito aparecimento do “boas”. Mas “boas” quê?
Quem é que se foi lembrar disto? E de que modo o tornou num hábito dos cumprimentos do nosso Portugal?
Cada vez mais limitamos os nossos diálogos à família e amigos chegados. Os vizinhos e conhecidos, nunca passaram disso. Não sabem quem sou, o que faço, do que gosto ou o que pretendo ser.
Cada vez mais vivemos para nós e menos com os outros.

3 comentários:

nexinha disse...

Boas noites, boas tardes, boas manhãs... lol... concordo contigo, para variar!cada vez mais os cumprimentos se tornam mais curtos e impessoais... os dois beijinhos para os amigos ja são raros...e as pessoas cada vez de distanciam mais umas das outras limitando a sua conversa a uma palavra!

Sara LóLó disse...

Por acaso eu e os meus amigos custumamos responder ao "tudo bem?". E quando alguém me diz "não" eu pergunto "então? o que é que se passa?". xD

Mas tens razão, os nossos diálogos são cada vez mais limitados... Para dizer a verdade nem conheço metade dos meus vizinhos. E aos que conheço só digo mesmo "bom dia" e "boa tarde" e é dentro do prédio. =S

Já agora, grande soldado João!

**

Cláudia disse...

e qdo é td joia? isso é demais lolololol

jts