30 de janeiro de 2007

Qualquer um pode ser o escolhido...




Fez-se silêncio!
Abri os olhos… tudo à minha volta era líquido.
Tentei perceber o que era. Não parecia água era algo mais viscoso.
Estava ainda a tentar perceber o que era, quando me lembrei… dentro de minutos vai faltar-me o ar e morrerei.
Tinha de fazer qualquer coisa, mas o que?!
Tentei mexer-me mas encontrava-me numa cápsula apertada, os meus movimentos estavam estranhamente lentos e limitados e para complicar ainda mais as coisas estava preso pela cintura…
Tentei não entrar em pânico!
Já tinha passado tempo suficiente para ter morrido por falta de oxigénio quando percebi que não precisava de respirar para me manter vivo… estranho!
Tentei ver o que se passava comigo… onde estava, como estava, como tinha ido ali parar.
Puxei pela memória e algo fez clic.
Comecei a recordar da última conversa que tinha tido, com o meu mestre!
− Posso dizer-te isto porque quando te encontrares no mundo para onde vais não te lembrarás de nada, nem mesmo desta tua existência. O teu corpo vai ser alterado, vamos-te diminuir até restar apenas uma célula desta tua existência e depois crescerás de novo, a partir dessa célula para a tua nova existência e ai transformar-te-ás num deles.
Mas cuidado meu filho, sairás num mundo inundado por maus sentimentos. Ódio, inveja, cinismo, ganância, são reis que imperam na gente por quem vais ser acolhido. Pior que isto e o nosso maior receio é que eles nem sempre deixam “nascer” os deles!... Chamam a isso “aborto”.
− Mas mestre… porquê eu?
− Meu filho, tu és o escolhido… só tu podes salvar esse mundo da opressão que estes maus sentimentos infligem nos humanos.
− Então e se eles não me deixarem “nascer”?
− … desaparecerás e a nossa missão de anos fracassará. Mas se nasceres sê apenas quem és.
− Mas como se não me vou lembrar de nada?
− Segue o teu instinto! Agora vai…
Entrei para dentro de uma cápsula que nunca tinha visto, começou a encher-se e água e…
Fez-se silêncio
Comecei a sentir uns movimentos estranhos… seria o “nascimento” ou o “aborto”?
A duvida estava instalada em mim e perguntava-me se estaria preparado para o que me esperava, quando comecei de novo a perder a memória e a consciência das coisas.
Fiz figas para que me tivesse calhado o “nascimento” e disse as minhas últimas palavras antes do esquecimento total…
− Por favor, não deixes o mal entrar no meu coração!

5 comentários:

Anónimo disse...

Belo texto! Realmente a vida deve ser vista como um milagre no qual só o nosso Pai pode nos proporcionar.

bjão grande! Camila

Anónimo disse...

Olá!
Passei por aki e n pude deixar de ler o teu texto...e de comentar...
É de facto mto bonita a história e também muito controversa. Lol! A vida é realmente um milagre, no entanto, as histórias que lidamos diariamente contam-nos uma realidade diferente... tu q trabalhas na área da saúde um dia vais deparar-te com uma dessas histórias, e vais perceber q n foi uma escolha fácil, mas talvez a mais acertada (ou não). É uma questão complicada, onde os argumentos dos 2 lados são válidos... mas... Pergunta ao "teu" bébé se escolheria nascer numa família q n o keria, q n o iria tratar bem, n tinha amor nem estabilidade para lhe oferecer.

Gosto mto dos teus textos e das tuas criativas críticas. Continua ;)

Beijinhos! Patrícia (Inter rail...Grécia...sabes n sabes?)

Anónimo disse...

Não se pode justificar a maudade humana tirando a vida de alguem. Aki no Brasil mesmo estamos fartos com esse descaso, Pior ainda é quando mães põem filhos em sacos de lixo colocando no mesmo! Jogando o filho no rio porque simplesmente tirma uma colclusão egoísta e ridícula de que não o querem.
Ninguem é ingênuo ao ponto de não saber como uma vida começa, todos sabem. E nada se justifica assim tão facilmente tirar a vida de alguem.
Infelizmente a maudade humana, o proprio ser ainda naum nascente percebe antes do seu proprio nascer e infelizmente a maudade humana ainda está aí, mais o nosso Deus ainda é maior que tudo isso.
Nossa, o seu texto deu o que falar, hein? hehehe..

bjo Cephas! Camila

Cisbela disse...

Uma BELA imagem!
Um texto para pensar no poder que DEUS nos dá, para permitir que uma vida volte a nascer,se teremos nós o direito ou não de sermos DEUS!!!!

Anónimo disse...

Digno de um escuteiro católico.