17 de junho de 2006

Chefe... mas pouco


Já passam das 20h30, e logo agora que estava a entrar com afinco no estudo, lembro-me que o jantar está por fazer.
Estou sozinho em casa, e como de costume, sempre que isso acontece o meu jantar vai parar lá para as tantas. Largo os livros, lavo as mãos, e tiro o bacalhau do frigorifico. Meto a água a aquecer, e vou começando a descascar meia dúzia de batatas, enquanto me lembro dos repetidos sermões da minha mãe.
Pedro, não penses que hoje em dia ainda há mulheres como eu, que estão na disposição de chegar a casa depois do trabalho e fazer o jantar para o marido, enquanto ele está sentadinho na sala a ler o jornal, e teima em ter a televisão ligada em pano de fundo... só por ter”
“Se tu não aprenderes a cozinhar, não aprenderes a passar uma camisa, e principalmente não souberes dar o valor ao trabalho ao trabalho que uma mulher faz numa casa, ela põe-te a andar, e depois não penses que podes vir aqui bater a casa pela comidinha da mamã, porque eu não estou para isso!Tens que te fazer um homem”
Fazer um homem, fazer um homem...sempre a mesma conversa, mas pronto, parece que aos poucos vou interiorizando a mensagem... afinal de contas, até é engraçado cozinhar, inventar um jantar, fazer uma revolução culinária, e tudo isso em cima do nosso fogão. Mas quando a preguiça aperta...
São 21h11min, e o jantar está pronto.
Umas batatas cozidas com uma posta de bacalhau e um ovo cozido. Acho que já estou um profissional, hehe!!!...

O Sal, esqueci-me do sal!!!

6 comentários:

zana disse...

As melhores receitas surgem mesmo assim! lol De esquecimentos ou distrações! Adinda vais ser um grande cozinheiro lol

Fox disse...

Comigo passa-se exactamente a mesma situação! Sempre que estou sozinho em casa tem início o que eu chamo de "dieta do abandonado", ou seja como sempre tarde e a más horas e a qualidade das refeições é na maioria das vezes questionável! Quanto aos sermões, acho que não existe ninguém que não tenha ouvido essa conversa com palavras iguais ou semelhantes, que mais cedo ou mais tarde, ao bom estilo do condicionamento clássico de associar uma coisa boa, como o jantar, a um sermão, acabam por ser interiorizadas! Eu também não sou nenhum ás na cozinha, já fui mais do que o que sou agora, mas lembro-me bem de que esquecer de pôr sal com o bacalhau não é tão mal como isso, especialmente se a posta for grossa, agora comer bifes que não foram temperados também está nos píncaros das minhas refeições!

Um abraço

Matcouto disse...

Ora aí está uma sábia senhora... assim é que é, há que aprender... lol...
O sal, o sal é o esquecimento de muita gente deixa lá pra proxima sai melhor...lol...
Beijocas...

Laudinha disse...

Olá!! Passei por aqui e não pude deixar de comentar.... por muito que, por vezes, nos custe as mães têm sempre razão!!! =P Ah e outra coisa não te preocupes dieta hiposalína nunca fez mal a ninguém... Lolol =)Beijinhos da "tua" pseudo-afilhada... ;)lolol ****

|\|€§§@ disse...

No teu caso eu pensaria... deixa lá.. o bacalhau já é salgado... ta mais que temperado!... errrr

Filipa disse...

Ihihih!! A minha primeira aventura na cozinha.. um simples arroz branco.. Senti-me uma verdadeira "mestre"..(Há tantos anos, risos) Pois faltou o sal.. Ups!! Por simpatia dos pais aquele arroz tava óptimo assim!! Para terminar e depois de tanto arroz branco e não só.. discordo naquela parte.. "afinal de contas até é engraçado cozinhar.." Beijinhos e bons cozinhados!! Eheheheh