28 de agosto de 2008

Decisões - Parte I


Ela, após o banho pôs a tocar Madonna.
" La Isla bonita", uma das músicas preferidas, era o segredo para se aquecer em dias frios como o de hoje.
Estava enroscada completamente sobre si, num sofá gasto, cabeça pendente à procura de apoio, e ambas as mãos resguardadas no meio das suas pernas. Já tinha adormecido.
A fogueira já começava a perder a força, mas ainda deixava adivinhar a harmonia no rosto dela, que lá se ia revelando por entre um jogo de sombras e um cabelo ainda húmido, solto, como ele nunca tinha visto.
Ela tinha vestido o seu pijama de flanela preferido e já bem cansado. Longo e comprido nas mangas, o tanto que baste para cobrir aquelas mãos frágeis em noites como esta.
A parte de cima que graças ao vício dela de morder, ou entreter de boca, apresentava agora a gola bem larga, do tanto que foi sofrendo ao longos de vários anos e que hoje, desse modo, deixava a descoberto parte do seu peito cheio, agora levemente arrepiado por uma brisa que escapava pelas frechas dos estores.
Ele aproximou-se dela para a beijar, hesitou ao ouvir a sua respiração cadente, até que encostou cirurgicamente os seus lábios nos lábios dela, tão inertes quanto enrugados.
Afastou-se, e sentou-se na varanda do quarto com vista para um vazio de sons nocturnos.
Pensava no que lhe haveria de dizer amanhã quando ela acordasse, se lho iria dizer, ou se simplesmente o iria omitir para sempre.

3 comentários:

Anónimo disse...

Interessante;)

Pipabagagrifas disse...

Na minha opinião, perde-se mais por omitir... Perde-se mais por não demonstrar...

Mas perde-se sempre em qualquer decisão :S

DECISÕES!

Catherine disse...

saudades d vir aqui. fica sempre tanto por dizer....